Publicom 2017 encerra com premiação e show de Trio Manari e Dona Onete

Text_2

Shows, debates, premiação e reflexões sobre o mundo contemporâneo marcaram os dois dias do Encontro de Comunicação da Amazônia (Publicom) que nesta terça e quarta-feira, 14 e 15, lotaram o Teatro Maria Sylvia Nunes, na Estação das Docas. Nestes dois dias, mais de duas mil pessoas, entre estudantes e profissionais da área da comunicação puderam trocar experiências e ouvir renomados profissionais da área. Neste ano, o Publicom também comemorou os 30 anos da Fundação de Telecomunicações do Pará (Funtelpa) e levou Dona Onete e Trio Manari para a fortaleza de São Pedro Nolasco como encerramento da programação.

Na palestra “A inovação radical e a era dos valores”, que encerrou as palestras do Publicom 2017, o pesquisador Gil Giardelli refletiu sobre os tempos de mudança veloz na comunicação, que é chamada de quarta revolução industrial, onde as transformações que ocorreram após a Segunda Guerra Mundial já não cabem. “É uma sociedade rede onde conceitos como Organização Mundial de Saúde, Organização das Nações Unidas e Organização Mundial do Comércio já não fazem mais sentido”. Para esta discussão ele levou exemplos de construção de uma nova humanidade, onde quem não estiver preparado vai estar fora da economia e deste novo mundo.

O conceito de inovação radical diz respeito a algo novo para o mercado e que traz uma grande mudança tecnológica, estrutural ou operacional. Para o instituto americano Radical Inovation Group, referência mundial no assunto, a definição de inovação radical é a seguinte: a criação de uma nova linha de negócios, tanto para a firma quanto para o mercado, que ofereça de cinco a dez vezes mais melhorias na performance ou de 30% a 50% (ou mais) de redução nos custos.

Gil Giardelli é um dos maiores pesquisadores da cultura digital no Brasil. Acumula em seu currículo a fundação de cinco empresas digitais e a consultoria para grandes empresas, como Votorantim, Vivo e Caixa Econômica.

Na palestra “Inovação e desafios do design na Amazônia”, realizada pela professora Sâmia Batista e o publicitário Bernardo Magalhães, com mediação do design Filipe Almeida, se falou sobre o design como gerador de afeto dentro de uma dimensão cultural e ampla.

Premiação

Neste último dia de Publicom Belém 2017 o público pode conhecer o resultado da 4ª edição do “Prêmio de Jornalismo em Turismo Comendador Marques dos Reis”, iniciativa da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo do Pará (Abrajet Pará), com o apoio das Secretarias de Turismo e Comunicação, da Abrajet Nacional e do Sindicato dos Jornalistas do Pará (Sinjor/PA).

Ao todo foram mais de 400 inscrições em apenas dois meses. “Nós fomos surpreendidos com o grande número de inscrições, o que mostrou que o prêmio tomou uma dimensão muito grande dentro do Estado. O nível dos trabalhos foi alto e contou com participantes de todas as regiões do Estado e de outros estados do Brasil”, comentou Isa Arnour, presidente da Abrajet.

Para o secretário de Estado de Turismo, Adenauer Góes, o turismo não pode prescindir do marketing. “As pessoas circulam de um lado para outro com base nas informações que recebem da comunicação no sentido de atraí-los para um determinado local”, disse.

O prêmio, comenta Adenauer Góes é um reconhecimento do profissional de imprensa que tem um papel de relevância muito grande dentro da cadeia do turismo. “Bem informar de forma correta e fidedigna este profissional contribui para o desenvolvimento do turismo e da economia”, destacou.

O estudante de jornalismo da Universidade da Amazônia, Leandro Tocantins Silva ganhou o prêmio na categoria telejornalismo universitário com o trabalho “Chocolate Dona Nena”, agradeceu aos professores da universidade pela ajuda e orientação em seu trabalho. “Foi muito gratificante participar e ganhar foi ainda muito melhor”, comentou.

(Confira a lista dos vencedores abaixo)

Avaliação positiva

Para o secretário adjunto de Comunicação, Samuel Mota, o Publicom 2017 é uma prova da dimensão que o evento alcançou. Ele destacou que a grande participação de universitários, 85% do público, surpreendeu a organização. “Um ponto forte foi a interregionalidade e o aprendizado proporcionado ao grande público de estudantes. Um sucesso”, ressaltou.

Para o jornalista Reinaldo Barros, o Publicom serviu também para o aprendizado de quem está no mercado. “Conhecimento é sempre bom, eu participei da palestra do Cabrini e lembrei dos tempos de faculdade, em que sonhava ser um jornalista investigativo”, comentou.

A estudante de Publicidade Gessiane Aquino, 23 anos, também participou dos dois dias. Para ela, a discussão sobre o feminicídio foi um dos pontos que mais marcaram neste Publicom. “Para nós estudantes, este tipo de iniciativa só vem engrandecer e agrega muito conhecimento”, ressalta.

Categoria Radiojornalismo – Profissional

1º – Luís Fernando Pinheiro Machado / Série Festival das Tribos de Juruti
2º – Celso Luís Barbosa Freire – O Pará é destaque na mídia nacional e turismo aumenta com a exposição
3º – Felipe Feitosa – Embarque imediato – São Domingos do Capim

Categoria Radiojornalismo – Universitário
1º Erlane Pereira dos Santos – Cametá: a beira do imaginário popular
2º – Jhonata da Costa Chaves – Mestre Vieira: de Barcarena para o mundo fomentando o turismo
3º – Cinthya Martins de Vasconcelos – Viva Belém! Histórias e Causos

Categoria Jornalismo On-line Profissional
1º – Gerson Nogueira Rodrigues – Aromas, temperos e sabores a serviço do turismo do Pará
2º – Altier Oliveira Moulin – Círio de Nazaré: a emocionante festa religiosa de Belém
3º – Thais Cavalcante Rezende – Viseu esconde praias, grutas e serra no limite entre o Pará e o Maranhão

Categoria Jornalismo On-line Universitário
1º – Thais de Souza Amorim – “Conectividade em Algodoal”
2º – Francisco Soares Chagas Neto – “Belém 401 anos – Espaços onde a literatura encontra a arte”
3º – Luana Catanhede Bezerra da Silva – “Museu Goeldi: 150 anos de pesquisa e memórias afetivas”

Categoria Telejornalismo Profissional
1º – João Jadson da Silva Furtado – “Círio, um fim de semana em que a fé flui pelas ruas de Belém”
2º – Roger da Silva Paes – “Tá na rua pra comer”
3º – Raimundo Reginaldo Nunes Ramos – “Expedição Jornalística Amazônia+”

Categoria Telejornalismo Universitário
1º – Leandro Tocantins Silva – “Chocolate Dona Nena”
2º – Marcos Wagner Braga Nascimento – “Ritos sagrados no Pará”
3º – Marcos Wagner Braga Nascimento – “História do Bosque Rodrigues Alves contada pelo programa ‘Eita Pará Pai D’égua'”

Categoria Fotojornalismo Profissional
1º – Celso Lobo – “Fotógrafo leva imagens da Amazônia para a Europa”
2º – Wilson Soares de Oliveira – “O potencial do Xingu”
3º – Wagner Santana – “40 Anos/Operação Prato”

Categoria Fotojornalismo Universitário
1º – Felipe Cássio Coelho Nobre – “Chegadas e partidas”
2º – Ryssa Izabelle Sousa da Silva – “A alegria de cores que explode no Mangal”
3º – Ryssa Izabelle Sousa da Silva – “Quero puxar a corda da tua berlinda”

Categoria #Meu Bem Pará
1º – Cláudio Ferreira – “Cavalhada”
2º – Rafael Fernando Serrão Chaves – “Quando a vida é uma poesia”
3º – Otavio Henriques Nascimento Ferreira Nepomucena – “Imponentes”
4° – Maria da Conceição Miranda de Souza – “Pedra do Ver-o-Peso”
5º Anderson dos Santos de Souza – “Olhar Carajás”

Categoria Jornalismo Impresso
1º – Ana Laura da Silva Carvalho – “Princesa do Marajó acena a visitantes”
2º – Marcelo Cardoso Monteiro – “Revista Veropa”

Sobre a programação do Publicom 2017, leia também:

Feminicídio, conteúdo digital e jornalismo cultural em pauta no Publicom

Painéis do Publicom Belém instigam o público a repensar conteúdos

Palestra de Roberto Cabrini dá a largada para o Publicom 2017

Publicom começa hoje em Belém abordando temas polêmicos na comunicação

Publicom Belém tem novidades para a edição 2017