Projeto Biizu promove oficina de jornalismo humanizado

Text_2

A Escola Estadual Magalhães Barata, no bairro do Telégrafo, em Belém, recebeu a “Oficina de Jornalismo Humanizado”, dentro da programação do projeto Biizu, da Secretaria de Comunicação do Pará (Secom). A jornalista Márcia Carvalho ministrou a oficina, nesta sexta-feira (17), para um público atento ao tema. “Ter participado me fez entender o conjunto de fatores pelos quais as discriminações são feitas. O jornalismo bem feito é fundamental para que a sociedade compreenda seu papel nesse contexto”, explica a universitária Marcilena Souza, de 18 anos.

“A ideia do curso surgiu para conscientizar a comunidade sobre assuntos como identidade de gênero, direitos humanos, racismo, homofobia, bullying, entre outros a partir da comunicação e, assim, multiplicar o entendimento sobre essas questões”, explica a jornalista.

Márcia Carvalho comenta que a ideia inicial era criar esta relação com o público por meio de um blog, mas, devido a escola possuir uma rádio, logo o plano foi alterado para fazer com que a atividade já desenvolvida pelo colégio se tornasse parte integrante.

Segundo a jornalista, um dos pontos compreendidos durante as atividades foi perceber o entendimento que as mulheres que foram entrevistadas têm sobre a opressão imposta em casos de violência psicológicas, ética e moral. “Muitas não percebiam que eram oprimidas porque já consideravam algumas atitudes normais. Levar informação a comunidade faz com que o assunto seja discutido não apenas pelas mulheres, mas pelos homens também. É necessário que todos se envolvam para que o cenário mude”, esclarece.

Coordenadora da rádio MB Conexão, da escola Magalhães Barata, a professora de filosofia, Darci do Carmo, conta que o projeto nasceu em 2012 com a missão de fomentar o debate de assuntos relacionados a educação dos alunos e, principalmente, da comunidade no entorno da escola.

“Mantemos a comunidade informada sobre questões de interesse público por meio da rádio, sempre com um direcionamento educacional, crítico. Aqui, os alunos praticam sua escrita, oratória e disciplina. A rádio tem uma função social que  é informar para conscientizar”, explica.

“Respeito às mulheres em sua diversidade” – Lançada no dia 7 deste mês, no Teatro Margarida Schivasappa, e com uma extensa programação, a campanha oficial de combate à violência contra a mulher “Respeito às mulheres em sua diversidade”, coordenada pela Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), via Coordenadoria de Integração de Políticas para as Mulheres, da Sejudh, apresentou o novo Plano Estadual de Combate à Violência Contra a Mulher.

Um dos destaques da campanha é a divulgação do minimanual de jornalismo humanizado produzido pela ONG Think Olga e disposto em seu site. O documento destaca formas ideais de abordagem para matérias que tratam de assuntos referentes a violências sofridas por mulheres.

“Precisamos discutir a responsabilidade dos veículos de comunicação. O respeito à dignidade deve ser repensado. Jornalismo humanizado é isso. Pensar cada vez mais nas pessoas como pessoas. Parece óbvio, mas muitas vezes isso não é feito”, disse Luise Bello, coordenadora de conteúdo da ONG e envolvida diretamente com a produção do minimanual, que foi apresentado em Belém durante palestra ministrada no Teatro Margarida Schivasappa, no último dia 9, quando abordou a produção com 400 comunicadores.

Por Sérgio Moraes

Fotos: Thiago Gomes