Oficinas da Secom fortalecem protagonismo e narrativas próprias em áreas do TerPaz

Text_2

Balanço de ações da Secom no TerPaz em 2019

“Essa oficina veio me mostrar que posso olhar para o meu bairro a partir dele mesmo. Agora, quero montar um coletivo de moda e fotografia, mostrando que há beleza aqui dentro”, afirma a estudante de Moda Amanda Santos. Aos 20 anos, ela é moradora do bairro do Guamá desde que nasceu, e buscou no ensino superior uma forma de mostrar o bairro de um jeito mais bonito.

Participante da Oficina de Fotografia Digital, oferecida pela Secretaria de Estado de Comunicação (Secom) na Associação 20 de Fevereiro, no Guamá, Amanda – ao lado de outros 20 moradores – aprimorou seu olhar a partir das técnicas da fotografia e, ao mesmo tempo, se sentiu encorajada para montar um coletivo. “Quero que cada vez mais pessoas olhem pro meu bairro como um lugar bonito. E agora, com a fotografia, eu já sei como fazer isso”, garantiu a estudante.

A oficina no Guamá foi ministrada durante a primeira quinzena de dezembro. Antes, em novembro, o bairro da Cabanagem também já havia recebido o mesmo projeto. Ministradas pelo fotógrafo Maycon Nunes, as duas oficinas são resultado da ação direta da Secom na programação do Programa Territórios pela Paz (TerPaz). Com a coordenação da Diretoria de Comunicação Popular e Comunitária, as oficinas integram as políticas públicas de comunicação da Secretaria.

Luiz Carlos Santos, Diretor de Comunicação Popular e Comunitária. 

Segundo o diretor de Comunicação Popular e Comunitária, Luiz Carlos Santos, o objetivo é alcançar cada vez mais as comunidades, levando, sobretudo, oportunidades de construção de narrativas próprias e protagonismo. “A comunicação popular e comunitária é uma das diretrizes da Secom. O que estamos fazendo agora é aliar o que já era missão da Secretaria ao plano de Governo, que vem sendo concretizado com o TerPaz”, explicou.

Exposições – Entre estudantes e demais moradores, 50 pessoas foram certificadas pelas oficinas. No bairro da Cabanagem foi realizada, também, uma exposição com duas fotos de cada participante, resultando em 30 fotografias em preto e branco, apresentadas durante as comemorações de aniversário da Escola Estadual José Valente Ribeiro.

Já no bairro do Guamá, as fotos deverão ser impressas em janeiro, e assim iniciar o ano com uma exposição para os participantes da oficina e demais moradores do bairro. “Queremos que o máximo possível de pessoas tenha acesso a essas ferramentas, e com elas narrar suas próprias histórias. Somos a ponte pra isso e queremos construir, juntos, esse caminho”, acrescentou Luiz Carlos Santos.

Para 2020 está previsto o lançamento do edital de contratação de profissionais de comunicação para ministrar diversas oficinas nas comunidades, estabelecendo parcerias com instituições, fundações, escolas da rede pública (municipal e estadual), organizações não governamentais (ONGs) e associações comunitárias, além de atuar nas áreas de abrangência do TerPaz, incluindo os municípios de Canaã dos Carajás e Parauapebas, no sudeste paraense.

Por Dani Franco (SECOM)