IOE encerra versão impressa do Diário Oficial do Estado

Text_2

Para reduzir custos e modernizar ainda mais seus serviços, a partir desta sexta-feira (1º), o Diário Oficial não terá mais sua versão impressa. Em 22 de fevereiro deste ano, foi publicada a Portaria nº 026, na edição Nº 33810, que tornou pública a decisão. Agora, passará a ser veiculado somente em sua versão digital que pode ser acessada pelo site da Imprensa Oficial do Estado (IOE) no endereço eletrônico www.ioepa.com.br.

A decisão segue uma tendência mundial, em que os Diários Oficiais já só existem em suas versões online. No Brasil, diversos estados e a União já deixaram de imprimir seus Diários Oficiais.

Após 155 anos, a Imprensa Nacional produziu no dia 30 de novembro de 2017, a última edição impressa do “Diário Oficial da União”. A partir dessa data o “DOU” passou a estar disponível somente na versão online.

Segundo Jorge Panzera, presidente da IOE, a decisão vai trazer para a autarquia uma economia substancial, visto que a imprensa gasta uma média anual de cerca de 30 toneladas de papel para imprimir o DOE e o Diário da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa). “A economia, além de financeira, é um alento para o meio ambiente, pois muitas árvores deixarão de ser derrubadas”, pontuou Panzera.

HISTÓRIA – A Imprensa Oficial do Estado do Pará foi fundada no dia 14 de abril de 1890. No ano seguinte, em 11 de junho de 1891, circulou o primeiro número do Diário Oficial.Entre outras matérias da administração estadual, foi publicada nessa edição a Portaria nº 1, tratando do regulamento da própria Imprensa Oficial do Estado.

No final da década de 1990 a IOE deu um grande passo tecnológico: o Diário Oficial do Estado do Pará ganhou uma versão online, em HTML, sendo o primeiro jornal oficial brasileiro a ter seu conteúdo completo publicado na web, simultaneamente com sua edição impressa.

O ano de 2012 marca a entrada definitiva do Diário Oficial na era digital, com a certificação da versão online. Agora, o arquivo em PDF disponibilizado no site da IOE tem certificação digital, um “carimbo eletrônico” que garante a autenticidade do conteúdo da edição publicada no site.

Por Ronaldo Quadros